Início » Notícias » [textos] Parceria com blog de Rob List segue com “Uma prática”

[textos] Parceria com blog de Rob List segue com “Uma prática”

[Rob List em Folly / fonte: nucleododirceu.com.br]

ctrl+alt+dança dá prosseguimento à parceria com o blog de Rob List, Mirror to the Flower, e apresenta uma nova tradução de André Bern. Desta vez, publicamos “Uma Prática”, texto postado por Rob em jan/2011, que estende a discussão proposta anteriormente em “Valor de Mercado” – o primeiro da série de textos traduzidos por André. Confiram!

UMA PRÁTICA, por Rob List

(Tradução de André Bern)

[para ler o texto original em inglês, clique aqui]

Quando pensamos sobre arte como prática, mais do que como carreira, o que queremos dizer com “prática” e qual é a relevância disso?

A palavra prática poderia ser um verbo ou um substantivo. Como verbo, prática se refere a uma atividade repetida deliberadamente. Por exemplo, treinar para adquirir habilidades ou conhecimentos, ou ensaiar para preparar uma performance. A raiz grega do verbo significa “alcançar, realizar” e geralmente pensamos sobre prática assim, focada em objetivos.

Por outro lado, o substantivo prática não é apenas uma descrição de um meio para atingir um fim. Ainda que tenhamos a tendência de correlacionar prática a teoria num tipo de relação causa-efeito, literalmente, a raiz grega praxis indica uma atividade humana sem forma ou objetivo definidos. Aristóteles fez considerações acerca deste tópico em seus escritos sobre ética:

A atividade teórica [theorea] é a busca da verdade através da contemplação. A atividade produtiva [poeisis] pode ser definida como aquela envolvida em fazer algo, como um artefato, que começa com um plano original ou forma e, então, é trabalhado utilizando várias habilidades. A atividade prática [praxis] não começa com certo plano ou teoria, mas sim com um problema ou situação. A prática é um processo contínuo de testagem e examinação, uma sintonia entre meios e fins, assim como entre pensamentos e ações. O objeto é, afinal, aquele mesmo que realiza a tarefa, e sua abordagem ao realizá-la, considerados num enquadramento a longo prazo.

Leia mais:  Danças de vento

Na praxis não há nenhum conhecimento prévio em termos do meio mais adequado para atingir um objetivo. Através do canal de uma expressão artística, cada projeto é parte de uma pesquisa em progresso sobre atitudes pessoais, princípios e métodos. É uma forma de aprendizado pela experiência, um processo de criação de significado a partir da experiência direta. Uma maneira de examinar a si mesmo através de ações, não necessariamente palavras; um caminho na direção de “insights”, percepções, mais válido que um contracheque ou crítica especializada.

Se levamos a sério, fazer arte torna-se uma contínua prática em progresso – exatamente como o direito e a medicina também são práticas – uma tentativa ao longo de toda uma vida em busca do desenvolvimento de si mesmo através do canal de seu trabalho. É um processo estimulante, às vezes cruel, com consequências imprevisíveis.

De resto, sempre dá para pagar as contas no nosso tempo livre.

Comentários