Início » Notícias » [textos] "A era dos projetos": Gabriela Alcofra traz suvenir da Bienal SESC de Dança 2013

[textos] "A era dos projetos": Gabriela Alcofra traz suvenir da Bienal SESC de Dança 2013

O projeto 7 x 7, idealizado por Sheila Ribeiro, levou artistas para escreverem sobre obras de outros artistas à Bienal SESC de Dança 2013. Dentre el@s, Gabriela Alcofra (redatora de ctrl+alt+dança) escreveu sobre os espetáculos A projetista, de Dudude Herrmann (MG), e O homem vermelho, de Marcelo Braga (RJ).

A proposta do 7 x 7 é que sejam textos artísticos sobre os espetáculos. Obras sobre obras. Todos os textos estão no Blog do 7 x 7 na Bienal.

 

DUDUDE X GABRIELA ALCOFRA = A ERA DOS PROJETOS

por Gabriela Alcofra a partir de A projetista, de Dudude

 

Queridos artistas, gostaria de escrever-vos uma carta, pois esse pensamento é para nós.
O projeto é um rascunho ou um desejo?

Categoria: Crítica artística em/sobre/a partir de espetáculos/intervenções/ formações em dança.
Por que de repente nos tornamos tão semânticos?
O dicionário não cabe mais em nós.
Título: A Era dos Projetos
Qual o projeto de uma pessoa? É uma vontade ou uma necessidade?
Como construímos esse cenário projectual? O conceito dominou a ação? A instituição dominou o artista? Se o presente projeta, qual será a necessidade do futuro?

Objetivos:
– escrever uma crítica artística de dança a partir da obra A projetista, de Dudude
– suscitar um pensamento reflexivo e artístico
– refletir
– organizar
– experienciar / trocar / discutir
– compartilhar / postar
– sobreviver

Lembro do Sr. Wilde, sussurrando ao pé do livro, prefaciando uma obra de arte.

Podemos perdoar a um homem que faça alguma coisa útil, conquanto que não a admire. A única justificação para uma coisa inútil é que ela seja profundamente admirada.
Toda a arte é completamente inútil. [i]
(Eu necessito Wilde)

Justificativa:

Leia mais:  CTRL+ALT+DANÇA desde outubro: os posts mais visitados até agora!

Eu sou uma artista. Minha necessidade não contabiliza matéria. Faço um orçamento baseado em planilhas. Minha fome é outra. Não cabe em tabelas. Eu faço caber. O que eu faço não tem preço, embora custe. Custa o figurino, o chão, o papel, o cenário, mas também a ideia, o investimento, o desejo, o tempo. Conceitos que não consigo precisar, embora precise. Sei que não serve pra nada. Sei que existem crianças com fome, estupradores à solta, assassinos em potencial, mentes brilhantes analfabetas, curas a serem descobertas. O mundo necessita coisas muito mais úteis. Não me importo. A geladeira é útil. O fogão é útil. O computador é útil. O carro é útil. O fácil não é vital. O prático não é suficiente. Busco o intangível, o inexplicável, o imaterial, o inútil. Tudo que couber em alguma utilidade foge do meu propósito. Não justifico arte. Arte só é justificável enquanto projeto.

“Fico imaginando quais teriam sido os objetivos de Pina Bausch ao compor Café Müller, ou de Villa Lobos ao compor Bachianas…e se essas obras teriam existido” [ii]

(Eu necessito Bausch e Lobos)

Detalhamento das ações previstas:

1) O artista assiste obra
2) O artista escreve
3) O artista mostra texto pra equipe, discussão e mudanças
4) O texto vai pra tradução
5) A tradução devolve o texto
6) O texto é postado na internet

O mundo que prevê não acontece.

Rascunho.

 

Gabriela Alcofra é criadora em dança.

seteporsete.net

 

 

[i] WILDE, Oscar. O Retrato de Dorian Gray. Hedra, 1974
[ii] Dudude durante o espetáculo A projetista.

Comentários