Início » Notícias » "Que se Funk": danças urbanas, comportamento e contemporaneidade norteiam estreia do Grupo Jovens de Periferia no Rio de Janeiro

"Que se Funk": danças urbanas, comportamento e contemporaneidade norteiam estreia do Grupo Jovens de Periferia no Rio de Janeiro

[Que se Funk, com o Grupo Jovens de Periferia / foto: divulgação]

O Movimento Funk e as conexões estabelecidas entre os indivíduos e os espaços da cidade são tema de Que se Funk, espetáculo do Grupo Jovens de Periferia, cujas apresentações de estreia acontecem no Centro Coreográfico do Rio de Janeiro (16-18/mai). “Corpo e movimento declaram suas vivências, dinâmicas e reinvenções em meio a contextos de preconceito, censura e repressão”, explica Michel Cordeiro, que assina a direção do trabalho.

Michel ainda conta que foram necessários 5 anos de imersão em pesquisas sobre danças urbanas, comportamento e contemporaneidade para apresentar um recorte artístico inspirado nos bailes funk das favelas do Rio de Janeiro. “São linhas de pesquisa que norteiam o trabalho e criam tendências de moda, musicalidade, comportamento”, complementa.

Antes das sessões do Centro Coreográfico (sexta e sábado, às 20h; e domingo, às 18h), o grupo ainda faz uma pré-estreia de Que se Funk no Prêmio de Cultura do Estado do Rio de Janeiro, no dia 11 (dom), às 19h – um fragmento do espetáculo será apresentado na Biblioteca do Parque Lage. Em cena, estão: Aline Cardoso, Camila Simões, Douglas Rodrigues, Jéssica Ramos, Marcos Guedes, Rodrigo Barboza e Samir Santos.

Que se Funk possui classificação indicativa 12 anos e os ingressos para as apresentações no Centro Coreográfico custam R$16 (inteira) e R$8 (meia-entrada).

Leia mais:  Dupla de Marinas expõe registros fotográficos dos bastidores do I Encontro CURIÔS (RJ)

O Centro Coreográfico do Rio de Janeiro fica na Rua José Higino, 115 – Tijuca (metrô Uruguai) – Rio de Janeiro (RJ).

Comentários