Início » Notícias » [textos] "Dança no Conselho da Cidade": Daniel Kairoz compartilha e-mail-carta-convocação com artistas da dança de São Paulo e do Brasil

[textos] "Dança no Conselho da Cidade": Daniel Kairoz compartilha e-mail-carta-convocação com artistas da dança de São Paulo e do Brasil

Em 2014, o artista Daniel Kairoz foi escolhido como Conselheiro da Cidade de São Paulo, representante da categoria da Dança, juntamente com outr@s conselheir@s. O Conselho é responsável por manter o diálogo entre o poder público e a sociedade, deliberando sobre decisões e recomendações do Prefeito, e elaborando propostas e planos de trabalho. [Clique aqui para conferir a lista completa de conselheir@s da cidade de São Paulo.]

Com a intenção de manter esse diálogo vivo, Daniel Kairoz comunica-se com as/os artistas da dança de São Paulo – e, por que não, do Brasil. Abaixo, reproduzo seu email-carta-convocação-reflexão:

 

Dança no Conselho da Cidade: 9 : 2015

saudações dos tempos!

após um tempo sem lhes escrever
retorno
vivemos uma pequena crise no Conselho no fim do ano passado
reuniões com atrasos de uma hora para começar
Plenos esvaziados
Conselheiros indo embora antes de começar algum encontro por conta de atraso
pautas inseridas na última hora pelo prefeito sem passar pelo Comitê Gestor
um enfraquecimento da força de atuação política do Conselho
etc
assim
as discussões ficaram mais internas 
dentro do Comitê Gestor do qual faço parte
criamos um regimento interno (ter de criar esse tipo de coisa já demonstra fragilidade) a fim de fortalecer o Conselho
hoje tivemos nossa primeira reunião do ano
fomos apresentados ao novo Secretário de Relações Governamentais
o Alexandre Padilha
(o mesmo que se candidatou ao Governo de São Paulo)
que se mostrou animado a enfrentar todos os problemas apontados por nós
e fortalecer o Conselho da Cidade
falou bastante da experiência que teve no Conselhão (Conselho Federal criado pelo Lula)
falou da dificuldade que se tem com esse novo instrumento político devido à sua novidade na nossa cultura política
citou uma história contada pelo Lula que a usou para falar do Conselhão
que ele e a Marisa ganharam uma jabuticabeira cada um
que ela regava todos os dias conversava com ela 
ele regava uma vez por semana 
a dela floresceu deu frutos
a dele não
e nos propôs um exercício (que lhes convido a fazermos juntos)
qual a cidade que queremos?
sei que pode parecer um pouco ingênuo o exercício
mas é um modo de levar para o Conselho uma outra visão de cidade
(os empresários do setor da construção civil adoraram a ideia e me parece que a visão deles seja um pouco diferente da nossa)
e convido todos a pensarmos juntos
não acredito num consenso
mas numa polifonia de possibilidades
me enviem suas contribuições por e-mail
que organizo tudo num único texto e lhes devolvo para batermos o martelo antes de levar para o Conselho
uma data: até o fim do mês de fevereiro
topam? :))
no Conselho
seguiremos com foco na crise hídrica (política diga-se de passagem. há resistência entre os Conselheiros em assumir isso, obviamente. estou empenhado nisso)
aumento da tarifa do ônibus (aumento realizado sem consultar o Conselho)
outro assunto
Não sei se todos estão sabendo 
temos um novo Secretário de Cultura na cidade de São Paulo
Nabil Bonduki
tomou posse nessa última terça-feira dia 3 de fevereiro
sua fala assim como a do Juca Ferreira
(que agora está de volta ao Ministério da Cultura)
e também a fala do Prefeito Haddad 
apontam para uma cidade mais humana
“sem balas de borracha” como disse Haddad se dirigindo ao novo Secretário de Direitos Humanos Eduardo Suplicy
juntando forças contra a especulação imobiliária 
a favor dos teatros independentes
fomentar a cultura das periferias
cultura indígena criação de um museu (?) indígena
falou-se muito do que foi feito
etc blá
a questão que vejo se formando:
estamos com o Congresso mais reacionário desde 64
Eduardo Cunha presidindo
uma bancada Evangélica ganhando cada vez mais força
os ruralistas continuam comandando as decisões políticas federais
agora inclusive dentro da pasta do Meio Ambiente com a Kátia Abreu
etc 
uma presidenta cavando seu túmulo para evitar que construíssem para ela
já sem água para bater na bunda
o Senado, a Câmara dos Deputados, dos Vereadores, na mesma condição
porém 
na cidade de São Paulo
extremamente reacionária diga-se de passagem
temos um quadro na esfera executiva um tanto diferente
há muito o que se questionar na gestão do Haddad
a começar pelas concessões sem fim feitas às construtoras
o aumento da tarifa para 3,50 
a dificuldade em bancar o parque Augusta
etc
mas não podemos negar que há um mínimo respiro
um mínimo sinal de inteligência
e agora isso se amplia para todo o âmbito cultural
com Juca no Ministério 
(que há muito o que se questionar também, já de cara o poder que o Fora do Eixo tem em suas gestões)
e agora com o Nabil na Secretaria
não sei o quanto isso é bom ou ruim
mas no mínimo há brechas para atuarmos e temos de aproveitá-las
o momento é oportuno
o Brasil está precisando urgente de uma profunda mudança cultural
e muito poderá ser disparado nesse momento
hora de agirmos
nos implicarmos nos rumos que as coisas estão tomando
adentrarmos os movimentos e fazermos deles dança
abrir caminhos ao que precisa vir
sem esquecermos do que Cage nos disse:
“tente melhorar o mundo, vc só tornará as coisas piores”
que isso aumente nossa capacidade reflexiva em ação
enquanto dançarinos e coreógrafos
pensamos através do tempo e do movimento 
pensamos pelo espaço
não podemos continuar separando a praxis da theoria
nem diminuindo a poiesis a mero enfeite
eis uma primeira mudança precisa!
uma sugestão:
podemos solicitar uma data
para um encontro público entre a Dança e o novo Secretário
para além do #diálogo
sem hashtag sem publicidade
uma primeira aproximação
autônoma!
sem precisarmos de mediadores
sem que entidades falem por nós
quem sabe outros movimentos possam surgir nessa dança
para que possamos trazer à luz Outras Danças e Coreopolíticas de Sampã!
vos aguardo com carinho
um abraço dos tempos

Ab

 

Leia mais:  Inscrições para oficinas gratuitas no Rio de Janeiro e em São Paulo: dança contemporânea e improvisação + ateliê de estudos coreográficos

Sobre Daniel Kairoz: coreógrafo, atualmente trabalha no Teat(r)o Oficina Uzyna Uzona e coordena o projeto Terreyro Coreográfico, encruzilhada trivial entre coreografia, arquitetura e programação digital.

Para comunicar-se com ele: danielkairoz@gmail.com.

Comentários