Início » Notícias » “Agora”: Ivana Menna Barreto dirige 5 intérpretes-criador@s em estreia no Rio de Janeiro

“Agora”: Ivana Menna Barreto dirige 5 intérpretes-criador@s em estreia no Rio de Janeiro

Intérpretes-criador@s de “Agora”, espetáculo dirigido por Ivana Menna Barreto / foto: João Penoni

Com estreia no último sábado (3/out) na Arena Carioca Dicró, Agora é a nova empreitada criativa da coreógrafa Ivana Menna Barreto. No trabalho, que conta com recursos do Programa de Fomento à Cultura Carioca 2014 (Prefeitura do Rio de Janeiro / Secretaria Municipal de Cultura (SMC-RJ)), Ivana sai de cena e dirige as/os bailarin@s Clara Anastácia, Diego Carvalho, Danielle Rodrigues, Marilena Magdalena e Natan Rodrigues, com quem desenvolve de maneira colaborativa o espetáculo.

Agora ganha uma temporada de estreia em itinerância por espaços culturais entre as zonas norte e sul da cidade do Rio de Janeiro: as Arenas Cariocas Jovelina Pérola Negra (localizada no bairro da Pavuna) e Fernando Torres (Madureira), o Centro de Artes da Maré e o Espaço SESC (Copacabana). Com exceção das sessões realizadas no SESC, todas as outras são gratuitas.

O processo de criação do espetáculo envolveu aulas de boxe e pesquisas de campo na direção de uma investigação de aspectos de pertencimento e de questões urbanas locais. Cada um@ d@s 5 intérpretes-criador@s se dedicou à pergunta-mote proposta por Ivana: “A que lugar dessa cidade você sente pertencer?”. Marilena, angolana radicada no Rio, buscou suas referências no Complexo da Maré; Natan estabeleceu pontes entre o Morro de São Carlos, onde nasceu, e o Rio Comprido, onde mora; o capixaba Diego ocupou-se de Ipanema, mais precisamente do Galeria Café, onde trabalha; enquanto Clara e Danielle se concentraram, respectivamente, no Morro da Conceição e na Lapa. Em cena, o espetáculo utiliza fotos e trilha sonora de João Penoni e imagens da videomaker Lana Lo Bianco.

Conforme aponta Ivana, “Agora investe na noção de pertencimento a partir do mapa particular de cada um sobre o Rio de Janeiro, além de refletir questões como a tensão e a instabilidade da cidade”:

A memória do lugar na memória do corpo. corpos negros, sons, cheiros e esquinas criam percursos de resistência na geopoética de uma cidade que se reconstroi. e ‘fala’ pelas paredes em frases impressas nos muros como ‘a rua é tua. fuck the future’, ‘luta é um outro nome pra dança’, ‘pastel, caldo de cana, yakisoba’, ‘trago seu amor de volta’ (…) nossos mapas são percursos que incluem pessoas, trajetórias de pessoas. por isso, visitamos alguns lugares dos quais falamos, para mergulhar neles.

Em 4/mar/2015, Ivana já adiantava questões endereçadas pelo trabalho num podcast gravado em dupla com a bailarina-coreógrafa Cláudia Müller – que compôs o 2º episódio da série Roda de Dança, na qual André Bern (editor de ctrl+alt+dança) convida profissionais da dança para um bate-papo sobre criação, circulação e produção de obras e eventos: “Eu não vou estar em cena (…) são cinco bailarinos, a maioria já foram meus alunos, alguns da Faculdade da Cidade, outros da UFRJ… tem a Marilena que é do Centro de Artes da Maré (…) De alguma forma, esse trabalho novo tem, já na concepção, algumas coisas que vieram também do meio sem fim (…):

Leia mais:  Dança e práticas corporais: festival, curso e evento agitam os próximos dias
Agora é a noção desse instante: Como é a minha relação com a cidade nesse momento? É possível pertencer ao Rio de Janeiro agora – uma cidade que explusa todo mundo? É possível fazer parte do Rio de Janeiro, morar, comer, se relacionar com as pessoas no Rio de Janeiro?

Confira abaixo um vídeo de divulgação de Agora:

 

As próximas apresentações do espetáculo acontecerão amanhã e quarta-feira (6 e 7/out, às 20h), na Sala Multiuso do Espaço SESC (Rua Domingos Ferreira, 160 – Copacabana) – com ingressos a R$20 (inteira), R$10 (meia-entrada) e R$5 (associad@s SESC); quinta-feira (8/out, às 19h30), na Arena Carioca Jovelina Pérola Negra (Praça Ênio, s/nº – Pavuna) – com entrada franca; e sábado (10/out, às 18h), no Centro de Artes da Maré (Rua Sargento Silva Nunes – 1.008 – Maré) – também com entrada franca.

Para se manter atualizad@ sobre datas, horários e valores de ingressos, vale conferir a página do espetáculo no Facebook.

 

Comentários