Início » Notícias » Na ponte RJ-SP: Cia. de Dança CCC + Núcleo Entretanto

Na ponte RJ-SP: Cia. de Dança CCC + Núcleo Entretanto

estreia Cia. de Dança CCC
Cia. de Dança CCC / foto: divulgação

Dirigida por Isnard Manso, a Cia. de Dança CCC estreia Coletânea em brevíssima temporada no Teatro Cacilda Becker (RJ). O espetáculo possui sessões hoje e amanhã (15 e 16/jan (sex e sáb)), às 20h.

A partir do samba como principal estímulo para a pesquisa de movimento, em Coletânea a companhia se aprofunda no hábito humano de colecionar e se pergunta sobre o que leva milhares de pessoas a guardar os mais diversos objetos. A Cia. de Dança CCC salienta a importância histórica do colecionar: “É através do desejo de agrupar objetos que é possível construir museus, arquivos e grandes acervos, muitos deles originados a partir de coleções particulares”. O espetáculo também significa uma reorganização da própria trajetória da companhia – uma revisita ao seu vasto repertório sob a ótica de um quarteto e suas possibilidades coreográficas.

A Cia de Dança CCC tem sede no Centro Cultural Carioca (também dirigido por Isnard Manso), que existe há 7 anos e funciona em pleno centro da cidade do Rio de Janeiro. O Centro Cultural Carioca é uma prestigiada casa de shows e espetáculos de música da cidade.

estreia Isnard Manso
Isnard Manso / foto: divulgação

Em entrevista concedida a André Bern (editor de ctrl+alt+dança) – que compôs o episódio #19 da nossa série de podcasts – Isnard nos contou sobre desdobramentos da presença da Cia. de Dança CCC na região da Praça Tiradentes, dentre eles a criação de uma associação:

A gente tem uma associação, o Polo Novo Rio Antigo,que é formada por nós, pela Fundição Progresso, Rio Scenarium, Confeitaria Colombo, Bar do Luiz, enfim… são oitenta e tantos associados e a gente briga pela valorização daquela região ali, intervindo junto ao poder público para fazer melhorias na urbanização da cidade.

Para o coreógrafo, o samba “é uma fonte de pesquisa para seus estudos sobre a consciência do gesto e do movimento”, e serve como um fio condutor para as montagens da companhia. Em cena, @s bailarin@s da Cia. de Dança CCC – Laryssa França, Jefferson Bilisco e Carol Duarte, além do próprio Isnard – mesclam habilidades de dança, teatro e música, e apresentam um espetáculo híbrido, que conjuga diversas referências culturais desta geração através de uma linguagem cênica bastante particular.

Leia mais:  Ocupação artística: SP Escola de Teatro recebe projeto do Grupo Musicanoar a partir de abril

Coletânea possui classificação indicativa livre, e ingressos a R$20 (inteira) e R$10 (meia-entrada). O Teatro Cacilda Becker fica na Rua do Catete, 338 – Catete (metrô Largo do Machado) – Rio de Janeiro (RJ).

estreia Núcleo Entretanto
Núcleo Entretanto / foto: Keiny Andrade

Na capital paulista, o Núcleo Entretanto também faz sua estreia. Onde agora? Quando agora? Quem agora? ganha sessões na Oficina Cultural Oswald de Andrade a partir de hoje (15/jan).

A peça coreográfica dialoga com as obras literárias “O Inominável”, de Samuel Beckett – de onde vem a inspiração para o título do espetáculo – e “A Escritura do Desastre”, de Maurice Blanchot. A partir delas, dirigido por Wellington Duarte e Daniel Kairoz, o grupo mergulhou na pesquisa de uma fisicalidade do desastre para construir a corporeidade da obra.

O desastre é entendido pelo grupo a partir da obra de Blanchot “como aquilo que excede o domínio e as condições de controle; o imponderável; o que sai da previsão e do cálculo”, conforme revela Wellington Duarte. Na pesquisa, foi preciso desestabilizar os caminhos já conhecidos d@s intérpretes-criador@s, para então criar o corpo do trabalho:

Nossa investigação se orientou pelo movimento que se furta; o movimento como desvio; o movimento como ausência; o movimento como desastre, em um corpo que não busca falar sobre coisas; não quer significar conceitos; não quer orientar o movimento por um único sentido. O corpo é arrastado por um movimento errante, não privado de sentido, mas privado de centro.

Em cena estão Érica Tessarolo, Joana Ferraz, Suiá Burguer Ferlauto e Leandro de Souza, além do próprio Wellington. Onde agora? Quando agora? Quem agora? permanece em cartaz até 30/jan, com sessões gratuitas às sextas e sábados, às 20h30. Basta retirar sua senha com meia hora de antecedência de cada apresentação. Uma dica importante: as sessões comportam apenas 40 pessoas.

A Oficina Cultural Oswald de Andrade fica na Rua Três Rios, 363 – Bom Retiro – São Paulo (SP).

 

 

Comentários