Início » Notícias » Chão

Chão

[*] atualizado em 22/mar/2016.

conexões  conscientização  CHÃO  composição  conceito

Quando colocamos os pés no chão, sentimos o solo em que pisamos. Ao deitar no chão, ativamos toda uma nova relação de contato com a pele – órgão mais extenso e pesado do corpo (3 a 4 kg / 1,5 a 2m²).

“O chão é o melhor amigo d@ dançarin@”, dizem muit@s professor@s de dança. “Ter os pés no chão” significa estar consciente no mundo – e, quem sabe, ciente de todo um alinhamento do corpo e das suas estruturas sutis.

Quase todas as danças exploram o nível baixo – das danças orientais às ocidentais. Diversas técnicas foram criadas usando o chão como parte crucial do trabalho: a Dinâmica Muscular, o floor work do Hip Hop, os jogos corporais da Metodologia Angel Vianna, a base da técnica de Martha Graham e os fundamentos de Bartenieff são alguns exemplos.

Faço dança e minha especialidade é chão.
TIAGO SOUSA (COMPANHIA URBANA DE DANÇA)
companhia urbana de dança chão
Companhia Urbana de Dança em “Eu Danço: 8 Solos no Geral” / foto: Renato Mangolin

É no contato do corpo todo com o chão que podemos utilizar mais apoios e encontrar movimentações diversas. O corpo sempre vai estar em relação com o chão – seja a cada pisada ou quando está deitado. Ficar de pé, verticalizar-se, por sua vez, é um trabalho intenso de força de oposições: o corpo empurrando para cima, a gravidade empurrando para baixo.

Leia mais:  RJ-SP-PE: a dança do final de semana
“Chão”, do coreógrafo e performer amazonense Francisco Rider / foto: divulgação

Nas danças funk e break, vai-se até o chão, utilizando-o como plataforma de contato em vários movimentos. “Chão, chão, chão”… as próprias expressões do funk comandam a ida ao chão. Em danças cênicas, volta e meia vemos objetos, roupas e coisas dispostas, espalhadas, empilhadas, agrupadas no chão.

cia dani lima chão
“Pequena Coleção de Todas as Coisas”, de Dani Lima / fonte: www.ciadanilima.com.br

Em diversas religiões nas quais a dança também está presente, levar a cabeça ao solo expressa humildade – do ser humano frente à onipotência da divindade, em sinal de respeito e entrega. Diante de tamanha importância do chão, a École de Sables (“escola de areia”, em tradução livre do francês) – escola senegalesa de dança contemporânea criada pela coreógrafa Germaine Acogny em 1998 – disponibiliza a suas/seus alun@s um “piso de areia”.

 

[*] Esta postagem integra a série Repertórios – uma das ações do projeto Dança Carioca na Rede: Corpo e Memória.

 

 

Comentários